A Evolução da Alimentação

Por:
Categoria : Saúde | 04/09/2013 | Seja o 1º a comentar!

Print Friendly, PDF & Email
A Evolução da Alimentação

Comer é muito bom. Além de ser uma atividade fundamental para o nosso organismo também é uma verdadeira delícia degustar desde pratos muito elaborados até os mais simples feitos em minutos.

Por muito tempo a humanidade consumia somente aquilo que era cultivado em suas próprias terras, preparadas em casa, frescas e sem nenhum tipo de aditivo químico. Tudo era feito de forma caseira. Com esse plantio e criação de animais “domesticados” para o próprio consumo, foram sendo construídas as comunidades que necessitavam de lideres e por fim resultaram em confrontos com outras comunidades: guerras.

Com as guerras, tanto no início da nossa história como atualmente, aprendemos sobre a importância da disponibilidade de alimentos para toda a população e principalmente da duração dos alimentos. Foi daí que começaram a surgir os métodos de conservação dos alimentos.

No começo se utilizava muito o sal em grandes concentrações, a secagem com exposição ao sol e até mecanismos rudimentares que faziam com que os alimentos ficassem frescos por mais tempo. Hoje inúmeras são as tecnologias e aditivos usados para prolongar a chamada “vida de prateleira” dos alimentos.

Surgem então as indústrias de alimentos e com elas leis que garantem a qualidade e segurança dos alimentos, o único problema é que não surgiram leis que garantem a saúde nutricional e logo começou o abuso em substâncias que deixavam os alimentos cada vez mais apetitosos e duradouros, mas que prejudicam a saúde.

Algumas dessas leis determinam as quantidades máximas de adição de alguns aditivos, outras vetam o uso de ingredientes comprovados como prejudiciais à saúde, regulamentam e caracterizam alguns produtos que podem ser consumidos e estipulam normas para os rótulos e informações presentes nas embalagens.

Além disso, as instituições que estipulam essas leis também são responsáveis pela verificação dos locais onde os alimentos são produzidos e se o local atende aos requisitos de higiene e também segurança dos trabalhadores.

Como atualmente a preocupação com a alimentação de qualidade e saúde cresce cada vez mais, algumas leis começam a ser criadas para garantir também a qualidade nutricional dos alimentos.

Apesar de serem poucas e com brechas para serem burladas por alguns fabricantes, essas leis começam a obrigar as empresas a disponibilizarem informações mais claras sobre o alimento comercializado na própria embalagem do produto como a presença de lactose (intolerantes), glúten (celíacos) e agora alimentos de origem animal (vegetarianos).

Com tudo isso ainda é possível cair em grandes ciladas com as informações encontradas nas embalagens. No próximo artigo dessa série conheça alguns dos truques escondidos nas embalagens que você precisa saber para fazer a escolha certa na hora de comprar os seus mantimentos.

Leia Também

Lactase: como funciona e quem pode utilizar A lactase é uma enzima produzida em nosso intestino delgado e tem como função hidrolisar (quebrar) a lactose o chamado ‘açúcar do leite’. Vários estudos apontam que após o desmame, algumas populações se tornam mais propensas à redução da pr...
Creatina: saiba se você precisa e quais os benefícios para sua saúde ou atividad... A Creatina é uma substância composta por 3 aminoácidos: arginina, glicina e metionina que é produzida no fígado e no pâncreas e pode ser encontra em carnes vermelhas e peixes, em quantidades bem pequenas por sinal. Ela é responsável por fo...
Como escolher o sabonete ideal para você? Escolher um sabonete ao mesmo tempo em que parece uma decisão simples também requer cuidados. O primeiro deles é reconhecer o seu tipo de pele: Pele seca: é aquela pele que tem aparecia opaca (fosca) que costuma descamar. Tem mais p...
Gostou? Então compartilhe este artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *