Alergia e Intolerância Alimentar

Por:
Categoria : Saúde | 07/09/2011 | Seja o 1º a comentar!

Print Friendly, PDF & Email
Alergia e Intolerância Alimentar

Atualmente é muito comum conhecer pessoas que afirmam ter alergia ou intolerância a certos alimentos que contenham glúten, lactose, frutas oleaginosas ou até mesmo frutos do mar. Por isso é importante conhecer o que são essas alergias, saber como diferenciar uma alergia de uma intolerância e saber como lidar com esse problema.

  • A alergia alimentar é uma reação exagerada do organismo a determinado alimento que ele identifique como estranho ou perigoso, ativando o sistema imunológico (defesa do corpo) para eliminar o alimento considerado como ameaça e desencadeando reações indesejadas como formigamento nos lábios, inchaços, dores abdominais e de forma mais agressiva podendo dificultar a respiração e até mesmo a parada respiratória, também conhecida como choque anafilático.
    Ocorre com mais freqüência em crianças e jovens, atingindo, aproximadamente, apenas 3% da população adulta.
    As alergias acontecem nas pessoas com predisposição genética, ou seja, que tenha parentes que tiveram alergia a alimentos; pessoas com falhas no mecanismo de defesa e também pela capacidade de alguns alimentos de darem reações alérgicas.
    Geralmente as alergias acontecem quando as pessoas com essa predisposição ingerem frutas oleaginosas como o amendoim ou castanha do Pará, frutos do mar, corantes e aditivos químicos em alimentos processados.
    As alergias mais conhecidas são a alergia à lactose e doença celíaca. Esta última impede que a pessoa possa consumir o glúten que é proveniente do trigo e outros grãos. Assim o celíaco só deve ingerir alimentos que estejam livres de glúten como arroz, quinoa, milho, frutas e legumes.
  • A intolerância alimentar faz com que o organismo responda radicalmente ao alimento ingerido a ponto de liberar mediadores imunológicos. As reações são restritas a incapacidade de digerir o determinado alimento fazendo com que o organismo expulse-o através de diarreias e vômito e ainda provoque azia, obstipação, gases, dores de cabeça e cólicas abdominais.
    A intolerância, com sintomas agudos ou subclínicos, é mais comum de acontecer, principalmente em adultos; ocorre da incapacidade de digestão de proteínas como a do leite de vaca chamada lactose ou frutas oleaginosas e outros alimentos. Pesquisas admitem que aproximadamente 50% (cinquenta por cento) dos adultos tenham algum grau de intolerância ou alergia alimentar.

As alergias alimentares geralmente desaparecem após o quarto ano de idade, porém, se persistir ou se o caso for de intolerância, deve-se tomar diversos cuidados para que as reações não aconteçam.

Infelizmente não existem ainda tratamentos medicinais que curem as alergias e intolerâncias, por isso a única maneira é evitar ingerir o alimento causador da alergia. Para isso, prefira sempre consumir alimentos naturais e sem muito processamento ou aditivos químicos.

Fique sempre atento aos rótulos dos produtos alimentícios. A ANVISA (órgão público que regulamenta a produção de alimentos) exige que todos os rótulos de alimentos, com capacidade de causar alergias, estejam escritos na rotulagem (com ausência ou presença). Caso não encontre especificações dos ingredientes em um produto não o consuma.

 

Leia Também

Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – III Nas semanas anteriores vimos as diferenças entre alergia e intolerância, em que a legislação é feita apenas para proteger as pessoas que apresentam essas doenças. Uma das doenças mais graves de alergia é chamada de doença celíaca, que pode ...
Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – II No artigo anterior falamos um pouco sobre alergias e intolerâncias e começamos a falar das dietas sem glúten. Essa semana vamos nos aprofundar no assunto para você ficar craque e sair ajudando outras pessoas a entender sobre uma das legisla...
Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – I Essa semana vamos falar de um assunto que está gerando muita polêmica: normas da ANVISA que influenciam diretamente na sua percepção do produto que está adquirindo. Uma delas é em relação ao conteúdo de glúten nos alimentos, mas antes vamo...
Gostou? Então compartilhe este artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *