Cuidado com a Osteoporose! Previna-se com estes produtos naturais

Por:
Categoria : Saúde | 30/03/2017 | 3 comentários

Print Friendly, PDF & Email

A osteoporose é uma doença sistêmica do esqueleto caracterizada pelo comprometimento da resistência óssea, predispondo a um aumento do risco de fraturas. Até bem pouco tempo atrás ela estava relacionada apenas a saúde da mulher, que no período da menopausa começa a sofrer uma diminuição da densidade óssea provocada pelas mudanças hormonais.

Atualmente ela não pode mais ser vista ou restrita a saúde da mulher, a diferença é que nos homens a osteoporose tende a ocorrer depois dos 70 anos de idade, resultado de uma combinação de fatores como a diminuída absorção de cálcio intestinal, ativação reduzida da vitamina D, fumo, alcoolismo, fraturas anteriores, uso de corticoides, imunossupressores ou medicação anticonvulsivante, declínio do tempo de vida dos osteoblastos e diminuição da concentração dos hormônios sexuais, que acontece tardiamente nos homens.

Deve-se ressaltar que o risco de osteopenia, osteoporose e fraturas osteoporóticas é significantemente elevado em pacientes com alto percentual de gordura corpórea, independente do peso corpóreo, atividade física e idade. Pesquisas sugerem que dietas ricas em gorduras, especialmente saturadas, podem contribuir para a redução da densidade mineralóssea (DMO) e elevação do risco de fraturas, na população jovem e idosa.

Há várias formas de prevenir a redução da densidade óssea, evitando assim a osteoporose. Além da prática regular de atividades físicas, preferencialmente com algum impacto (como caminhadas), uma alimentação equilibrada e a suplementação alimentar, principalmente no caso de idosos, tem-se mostrado eficiente para reduzir os riscos de osteopenia, osteoporose e fraturas.

 

Minerais

Cálcio

O primeiro cuidado é com a ingestão adequada de cálcio, mineral fundamental para nossa estrutura óssea.  Além dos produtos lácteos (leite, queijo e iogurte) há muitas outras fontes alimentares de cálcio: verduras verde-escuras (como o brócolis), gergelim, teff, algas, amaranto, amêndoas, linhaça, tofu, lentilha e outras leguminosas são excelentes fontes de cálcio. Você também pode incluir alimentos que são fortificados com cálcio como leites vegetais, por exemplo.

Outra opção, principalmente para alérgicos ao leite, é a suplementação, neste caso pode-se encontrar o cálcio em cápsulas, o cálcio e o magnésio juntos na dolomita em pó ou cápsulas, ou combinado ainda com o zinco. Há também uma fonte riquíssima de cálcio que combina ainda magnésio, zinco e ferro: o cálcio de ostra em pó.

Para atletas ou pessoas que mantém atividades físicas com maior intensidade, há produtos específicos como o ZMC e o Proteinato de Cálcio.

Leia mais sobre fontes de cálcio nesta Dica da Nutricionista!

 

Dolomita

A dolomita, como dito brevemente no item anterior, é um mineral rico em magnésio e cálcio e na sua forma natural se parece com uma joia. Por ser rico nestes dois elementos, ele atua na prevenção da osteoporose e também auxilia na prevenção de hemorragias, no desempenho muscular e na diminuição de câimbras. Ela pode ser consumida em pó ou em cápsulas já que se trata de um mineral.

Leia mais sobre as funções da dolomita para nossa saúde neste outro artigo.

 

Silício

O silício é essencial para a nossa saúde, pois ele está presente no tecido conjuntivo, sendo responsável por estabelecer e manter a forma do corpo, além de fazer a ligação com outros tecidos e preencher espaços. A sua carência leva a debilidadedos tendões e ossos, diminuindo a mobilidade e equilíbrio, principalmente em idosos, o que pode levar a quedas e fraturas.

Ele também é importante pois auxilia na biossíntese do colágeno e na calcificação dos tecidos ósseos.

Pode ser consumido em cápsulas ou inserido na dieta através de alimentos ricos em silício como é o caso da aveia, painço, cevada, batata, banana, abacaxi, tâmaras e manga.

Leia mais sobre a importância do silício neste outro artigo.

 

Colágeno

O Colágeno é responsável por toda a estrutura dos nossos tecidos, desde pele, cabelo, unhas, músculos, tendões, cartilagens até as paredes dos vasos sanguíneos. Com o passar do tempo, essa proteína se torna mais escassa em nosso organismo, sendo necessária uma suplementação. É importante destacar que o colágeno que ingerimos (na maioria das vezes é de origem animal: bovino, aves ou peixes – mas também pode vir de algas como o agar-agar) e ele não é absorvido pelo organismo, mas sim utilizado como matéria prima pelo nosso corpo para a produção de colágeno.

Para que essa produção ocorra é preciso que estejam presentes em nosso organismo também a Vitamina C e o Silício, daí o fato de alguns suplementos alimentares já virem em cápsulas ou sachês com vitamina C.

Você pode consumir o colágeno em cápsulas, pó (na forma hidrolisada)ou parcialmente hidrolisada (gelatina), em sachês, balas ou ainda em uma fonte vegetal como o agar-agar.

Leia mais sobre o colágeno

>>Colágeno hidrolisado clicando aqui

>>Colágeno de peixe clicando aqui.

>>Agar-Agar

>>Veja um comparativo entre todos os tipos de colágeno neste especial que preparamos

>>Veja também fontes de vitamina C

 

Vitaminas

Vitamina D

A Vitamina D é uma das únicas vitaminas que é produzida pelo nosso organismo, no entanto apenas o sol atua na sua sintetização e a torna disponível, por isso é conhecida como a vitamina do sol. Ela é essencial para a absorção de cálcio.

A Vitamina D possui algumas variações como a Vitamina D2 e D3 que, segundo as pesquisas, atuam no transporte ativo do cálcio, aumentando a permeabilidade das membranas, regulando a migração de cálcio através das células intestinais, melhorando sua absorção, principalmente quando a ingestão de cálcio é baixa.

Como dito anteriormente, a Vitamina D é sintetizada pelo nosso organismo na presença de luz solar, daí a importância de se expor ao sol (mãos, braços e rostos) diariamente. Uma questão importante é que o tempo de exposição pode variar muito, conforme idade, sexo, corda pele, horário e localidade, o que pode tornar inviável a exposição para pessoas com peles sensíveis (risco de queimaduras), pessoas que possuem histórico de câncer de pele e pessoas com pele mais escura, pois neste caso seria necessário um tempo de exposição maior.

Uma alternativa, nestes casos, é ingerir peixes, leites e derivados, gema de ovo, leite de soja e aveia em flocos, fontes alimentares de vitamina D ou então consumir suplementos alimentares como a própria Vitamina D, Vitamina D2, Vitamina D3, Multivitamínicos ou suplementos de cálcio com Vitamina D.

Leia mais sobre a vitamina D neste artigo.

 

Vitamina K

A Vitamina K, em especial a K2, é fundamental para a produção de certas proteínas como a GLA ou osteocalcina, essa proteína representa até 2% da nossa estrutura óssea e é a sua ligação com o cálcio que permite ossos mais fortes!

A vitamina K2 (menaquinona) é produzida pelas bactérias saudáveis do nosso intestino, mas com o passar dos anos essa produção torna-se insuficiente, daí a necessidade de reposição através da suplementação. A vitamina K2 é obtida de forma natural, através da fermentação de grãos de soja, e provem do natto, um alimento comum na culinária oriental.

Leia mais sobre a vitamina K neste artigo.

 

Vitaminas do Complexo B

Estudos mais recentes também apontam que a osteoporose também está ligada a deficiência de vitaminas do completo B, em especial as Vitamina B12, Vitamina B9 e Vitamina B6.

A carência dessas vitaminas eleva os níveis dehomocisteína (um aminoácido), que age interferindo nas ligações cruzadas do colágeno, resultandoem diminuição da resistência óssea e, consequentemente, na osteoporose e fraturasósseas tanto em homens quanto em mulheres.

Leia mais sobre as Vitaminas do Completo B

>>Importância da Vitamina B12

>>Importância da Vitamina B9

>>Importância e fontes de Vitamina B6 e B12

 

Isoflavonas

Alguns estudos recentes tem apontado que a osteoporose, principalmente a pós-menopausa, é menor na Ásia do que no ocidente. Uma daspossíveis explicações para esta diferença se baseia naelevada ingestão de produtos de soja, ricos em isoflavonas, pelas mulheres asiáticas durante toda a sua vida.

As terapias de tratamento e prevenção de osteoporose em mulheres pós-menopausa incluem reposição hormonal, o que pode elevar os riscos de câncer de mama, por este motivo tem-se pesquisado a substituição do tratamento convencional pelo tratamento com isoflavonas de soja.

Os primeiros resultados demonstram que o uso de isoflavonas da soja apresentam ótimos resultados no que diz respeito a redução da perda óssea. Isso se deve ao fato da isoflavona apresentar um efeito de fito-hormônio, similar ao estrógeno.

Leia mais sobre a Isoflavona na Dica da Nutricionista!

Cuidados especiais

Alguns componentes da alimentação, como os fitatos, encontradosem cereais e sementes, os oxalatos (espinafre e nozes) e os taninos (chá), podem formar complexos insolúveis como cálcio, reduzindo a sua absorção. Entretanto, esses componentesparecem afetar a absorção do cálcio apenas quando adieta não é balanceada, daí a importância de acompanhamento nutricional com um profissional especializado.

Outro fator que pode influenciar a biodisponibilidade docálcio é o sódio, uma vez que a ingestão elevada desse nutrienteacarreta aumento da excreção renal de cálcio.

Outro alimento que atua negativamente para a absorção de cálcio são as bebidas à base de colas que contém cafeína e ácido fosfórico, que geramuma carga ácida no organismo.

 

Referências:

OLIVEIRA, L. G.; GUIMARÃES, M. L. R.. Osteoporose no homem. RevBras Ortop. 2010;45(5):392-6

ESTEVES, E.A.; MONTEIRO, J.B.R.Isoflavonas e doenças crônicas .Rev. Nutr., Campinas, 14(1): 43-52, jan./abr., 2001

ANGELIS, R.C. Novos conceitos em nutrição. Reflexões a respeito do elo dieta e saúdeArqGastroenterol V. 38 – no. 4 – out./dez. 2001

COUSSIRAT, C. et al. Vitaminas B12, B6, B9 e homocisteína, e a relação com massa óssea. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2012; 15(3):577-585

MORAIS, G.Q.; BURGOS, M.G.P.A. Impacto dos nutrientes na saúde óssea: novas tendências RevBras Ortop. 2007;42(7):189-94

Leia Também

Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – III Nas semanas anteriores vimos as diferenças entre alergia e intolerância, em que a legislação é feita apenas para proteger as pessoas que apresentam essas doenças. Uma das doenças mais graves de alergia é chamada de doença celíaca, que pode ...
Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – II No artigo anterior falamos um pouco sobre alergias e intolerâncias e começamos a falar das dietas sem glúten. Essa semana vamos nos aprofundar no assunto para você ficar craque e sair ajudando outras pessoas a entender sobre uma das legisla...
Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – I Essa semana vamos falar de um assunto que está gerando muita polêmica: normas da ANVISA que influenciam diretamente na sua percepção do produto que está adquirindo. Uma delas é em relação ao conteúdo de glúten nos alimentos, mas antes vamo...
Gostou? Então compartilhe este artigo!

Comentário (3)

  1. postado por The Gluten Free Shop em 25/04/2017

    Otima e completa máteria sobre osteoporose. Existem muitas informações sobre essa doença que muita gente desconhece, entre elas, as de que celíacos tem uma tendência fortissima a sofrer desse mal, caso não se alimentem direito ou faltem com o uso de suplementos.

    De qualquer forma, muito bom o contéudo dessa matéria.

  2. postado por MARIA ALICE FELIX RODRIGUES MARTINS em 27/04/2017

    Bom dia ! pode usar o agar agar junto com dolomita e maca peruana  ou  o organismo ficaria com excesso de minerais ?

    Grata pelas valiosas informações ! 

    • postado por Relva Verde Produtos Naturais em 28/04/2017

      Olá Maria Alice,

      Pode sim, inclusive é uma mistura boa e proveitosa para o organismo dependendo do seu objetivo e condições clínicas.

      Consulte sempre o seu médico.

      Estamos à disposição 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *