Cuidado com o Colesterol Alto! Previna-se com estes produtos naturais

Por:
Categoria : Saúde | 03/03/2017 | 2 comentários

Print Friendly, PDF & Email

Bons hábitos de vida e alimentação saudável

O Colesterol Alto (Total ou LDL) é uma doença temida nos dias de hoje, grande parte dos casos de “colesterol” são derivados dos maus hábitos: alimentação desequilibrada, rica em gorduras e pobre em fibras; falta de atividades físicas regulares; fumo; doenças como hipotireoidismo, doenças nos rins, síndrome do ovário policístico e diabetes.

Também há fatores genéticos envolvidos, alguns indivíduos tem propensão a ter níveis baixos de HDL (“colesterol bom” – aliás, ele é chamado de ‘bom’ pois ele é uma lipoproteína que ajuda a carregar o colesterol do ateroma dentro das artérias e transportá-lo de volta ao fígado para ser excretado), outros a ter níveis elevados de LDL (“colesterol ruim” – pois ele transporta o colesterol de células que mais produzem do que usam, para as células que mais necessitam e está relacionado com doenças cardíacas). Esses casos (genéticos) são conhecidos como Hipercolesterolemia Familiar (HF).

Vale lembrar que o colesterol não é “ruim”, ele tem uma função importante em nosso organismo, é ele que ajuda na produção de vários hormônios, ácidos biliares (que atuam na digestão das gorduras) e até mesmo na produção da Vitamina D.

Quando em excesso, colesterol total e/ou LDL, ele pode se depositar nas paredes das artérias, causando a arteriosclerose. Se as artérias atingidas forem as coronárias é possível que o indivíduo tenha angina (dor no peito) e infarto do miocárdio, se for as artérias cerebrais pode provocar um AVC (acidente vascular cerebral ou derrame).

Em qualquer um dos casos há uma série de alimentos que ajudam na prevenção e no controle do colesterol, seja ele total ou LDL.

Redução do consumo de gorduras

O primeiro passo é reduzir a ingestão de gorduras! Carne vermelha, frituras, pele do frango, manteiga, creme de leite/nata, queijos amarelos e embutidos devem ser evitados ao máximo.

Prefira leite e iogurtes desnatados, queijo branco ou ricota, peixes, inhame, pães e massas integrais.

Aumente a ingestão de fibras

As fibras solúveis, assim como para o diabetes, são fundamentais no controle do colesterol, principalmente as beta-glucanas (leia mais sobre as fibras solúveis e insolúveis neste artigo sobre o Diabetes).

Psyllium

Após vários estudos publicados, o FDA reconheceu a associação entre fibras solúveis provenientes de aveia e psyllium e a redução de doenças cardiovasculares quando consumidas como parte de uma dieta pobre em colesterol e gordura saturada. Diversos estudos indicam que o consumo diário de 7 a 8 g de psyllium podem reduzir os níveis de LDL em até 5%.

Você pode conhecer outros benefícios do psyllium clicando aqui.

Aveia

A aveia em flocos é considerada um alimento hipocolesterolemiante, provavelmente por causa de seu conteúdo de goma. Produtos a base de aveia em flocos, onde a concentração desta fibra é mais elevada, tem ação hipocolesterolêmica potente, efetivamente diminuindo o colesterol sérico e alterando favoravelmente a razão de lipoproteínas HDL/LDL em indivíduos com hipercolesterolemia.

Para saber mais sobre a aveia clique aqui.

Fibra de Maracujá

A farinha ou fibra de maracujá também tem sido alvo de estudos relacionados a redução do colesterol,  por ser rica em pectina, uma fibra solúvel em água.  Estudos clínicos apontaram que o consumo de 30g por dia, em conjunto com a ingestão de 2 litros de água por dia reduziram também em 5% os níveis de colesterol LDL e colesterol total.

Você pode conhecer outros benefícios da Fibra de Maracujá clicando aqui.

Cevada

Estudos clínicos apontam que a cevada em grãos possui os mesmos benefícios do farelo de aveia, já que possui quantidades similares de fibras beta-glucanas.

Alcachofra

A Alcachofra (Cynarascolymus L.) é utilizada como alimento (flor) e como planta medicinal (folhas largas) desde a antiguidade por egípcios, gregos e romanos.

Já no século XX diversos estudos comprovaram sua importância no tratamento de afecções hepatobiliares (fígado e biles). Ela auxilia no controle do colesterol. Os flavonoides presentes na alcachofra atuam não só na inibição da biossíntese e aumento daexcreção do colesterol hepático como tambémna atividade anti-trombótica e anti-arterosclerótica.

Leia mais sobre os benefícios da Alcachofra clicando aqui.

Fitosterol

O consumo de Fitosteróis também tem sido relacionado a redução do colesterol. A competição entre fitosteróis e colesterol reduz o conteúdo de colesterol nas micelas e, consequentemente, diminui seu transporte para a membrana de borda em escova do intestino. Fora da fase micelar, o colesterol não é mais solúvel, formando cocristais com fitosteróis, sendo, então, excretado juntamente com os fitosteróis não absorvidos.

Com isso, observam-se efeitos na diminuição do colesterol, especialmente LDL-c, ocasionados por fitosteróis. A suplementação com fitosteróis é uma opção para diminuição do LDL-c em crianças com HF que ainda não podem receber tratamento farmacológico.

Proteína de soja

Diversos estudos clínicos apontam que a substituição e/ou suplementação alimentar com proteína de soja reduz os lipídios séricos em adultos hipercolesterolêmicos, reduzindo significativa o colesterol total, LDL e triglicerídeos, levando a um efeito benéfico nas doenças coronarianas.

Feijão Caupi, Tremoço branco e Lentilha

Estudos apontam que essas leguminosas, em especial a lentilha e o tremoço branco possuem importantes efeitos sobre o colesterol. Promovendo a redução do LDL.

Ômega 3

Estudos clínicos mostram que a suplementação com 2 a 4 g de EPA/DHA ao dia pode diminuir os níveis de triglicérides (TG) em até 25% a 30%, aumentar discretamente os de HDL-colesterol (1% a 3%) e elevar os de LDL-colesterol em até 5% a 10%

Em um ensaio randomizado com pacientes com doença arterial coronariana, a suplementação comaproximadamente 1,5 g/dia de ácido graxo Ômega-3 pordois anos provocou menos progressão e mais regressão daaterosclerose coronariana.

A Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda a suplementação com Ômega 3 Marinho (2-4g/dia) para pacientes com hipertrigliceridemia grave (> 500 mg/dL),com risco de pancreatite, e a suplementação com Ômega 3 Marinho (1g/dia) para diminuir o risco cardiovascular em indivíduosde alto risco, como os sobreviventes de infarto do miocárdio ou insuficiência cardíaca sistólica.

Consumo de açúcares

As diretrizes brasileiras de dislipidemias e prevenção da aterosclerose indicam ainda a importância de reduzir o consumo de açúcar, trocando-o por adoçantes não calóricos ou mel, aumentar o consumo de vegetais (crus ou cozidos), legumes (incluindo soja e proteína de soja) e o consumo moderado de nozes e sementes.

Referências:

PEREIRA, AC et al . I Diretriz Brasileira de Hipercolesterolemia Familiar (HF). Arq. Bras. Cardiol.,  São Paulo ,  v. 99, n. 2, supl. 2, p. 1-28,  Aug.  2012 . <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2012001700001&lng=en&nrm=iso>. accesson  20  Feb.  2017.  http://dx.doi.org/10.5935/abc.20120202.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. http://www.endocrino.org.br/10-coisas-que-voce-precisa-saber-sobre-o-colesterol/

AHF – Associação Brasileira de Hipercolesterolemia Familiar. http://www.ahfcolesterol.org/

Francine SarturiPrass EFEITO HIPOCOLESTEROLÊMICO DA AVEIA EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS EM SANTA MARIA-RS Santa Maria, RS 2006

RAMOS, A. et al. Uso de Passifl ora edulis f. flavicarpana redução do colesterol. Revista Brasileira de Farmacognosia. 17(4): 592-597, Out./Dez. 2007

CORREA, I.; POLTRONIERI, F. Ação hipocolesterolêmica das proteínas de leguminosas. RASBRAN – Revista da Associação Brasileira de Nutrição. São Paulo, SP, Ano 7, n. 2, p. 79-90, Jul-Dez. 2016

Arquivos Brasileiros de Cardiologia. I Diretriz sobre o Consumo deGorduras e Saúde Cardiovascular. Volume 100, N° 1, Suplemento 3, Janeiro 2013.

Arquivos Brasileiros de Cardiologia. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Volume 101, Nº 4, Suplemento 1, Outubro 2013.

Leia Também

Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – III Nas semanas anteriores vimos as diferenças entre alergia e intolerância, em que a legislação é feita apenas para proteger as pessoas que apresentam essas doenças. Uma das doenças mais graves de alergia é chamada de doença celíaca, que pode ...
Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – II No artigo anterior falamos um pouco sobre alergias e intolerâncias e começamos a falar das dietas sem glúten. Essa semana vamos nos aprofundar no assunto para você ficar craque e sair ajudando outras pessoas a entender sobre uma das legisla...
Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – I Essa semana vamos falar de um assunto que está gerando muita polêmica: normas da ANVISA que influenciam diretamente na sua percepção do produto que está adquirindo. Uma delas é em relação ao conteúdo de glúten nos alimentos, mas antes vamo...
Gostou? Então compartilhe este artigo!

Comentário (2)

  1. postado por PLPinto.M. em 08/03/2017

    Olá! Achei as dicas apresentadas no texto muito interessantes. Porém, eu tenho uma dúvida referente ao consumo de ovo. Já ouvi muitas pessoas dizendo que comer muitos ovos eleva o colesterol. Isso é verdade ou trata-se de um mito?

    Obrigado!

    • postado por Relva Verde Produtos Naturais em 13/03/2017

      Olá!

      Um ovo tem em média 210 miligramas de colesterol. A quantidade de colesterol de um alimento não tem impacto direto sobre o colesterol plasmático (do sangue). O mecanismo é complexo e depende de fatores genéticos, consumo de gorduras saturadas e trans, falta de atividade física e dieta pobre em fibras. Ou seja: ao comer um ovo, acontece uma variação do colesterol, mas ela vai depender de outros fatores.

      Em artigo publicado em janeiro deste ano pela Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, resultado de uma pesquisa envolvendo 9.734 pessoas de 25 a 74 anos acompanhadas durante duas décadas, os pesquisadores demonstraram não haver relação entre o consumo regular de ovos e o aumento da incidência de doenças cardiovasculares, como infarto e derrame.

      Consulte sempre o seu médico.

      Estamos à disposição 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *