Fique Atento às Tabelas Nutricionais dos Alimentos

Por:
Categoria : Saúde | 09/10/2013 | 2 comentários

Print Friendly, PDF & Email
As Tabelas Nutricionais Podem Ser Cheias de Grandes Pegadinhas

As tabelas nutricionais são obrigatórias em todos os alimentos que são comercializados independente se é produzido de forma artesanal ou industrial. Nela devem conter todos os componentes que mais influenciam na nossa saúde.

Baseada em um consumo de 2.000 kcal no dia, a tabela nutricional já começa a sua primeira pegadinha.
Não é todo mundo que consome exatamente 2.000 Kcal, na verdade, a maioria consome muito mais que isso. Você deve estar se perguntando – mas e então, qual é a pegadinha? Exatamente essa: todos os valores que você está vendo na tabela nutricional estão corretos apenas quando você consome as 2.000 Kcal no dia, se você ingerir um total de 3.000 Kcal aqueles valores já são completamente alterados e já não te servem pra mais nada.

Nesse mesmo sentido surge a segunda grande pegadinha: os outros valores que não estão em porcentagem são apenas relacionados com uma porção do alimento e não a sua totalidade. Por exemplo: um pote de margarina geralmente tem 500g, mas a sua tabela nutricional é sobre apenas 10g, por isso fique sempre atento a essa informação para não consumir um produto enganado, ela é obrigatória logo no início da tabela nutricional.

Além disso, resta uma excelente pergunta que acaba revelando mais uma pegadinha. Como são feitas as tabelas nutricionais? Bom, o produtor do alimento geralmente tem acesso a uma tabela chamada TACO – Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – disponibilizada pela UNICAMP que contém toda a composição de cada ingrediente em seu estado cru e com essa tabela é possível calcular a composição de uma bolacha, por exemplo, somando cada composto de cada ingrediente.

Caso não seja utilizada a TACO, a ANVISA também disponibiliza uma tabela de referência, porém essas tabelas são referentes aos alimentos em seu estado cru e já é comprovado que processos como cozimento, fritura, resfriamento, entre outros são capazes de alterar a composição dos alimentos, assim toda tabela nutricional elaborada com esse método pode conter erros.

A alternativa mais segura para a elaboração de uma tabela nutricional precisa seria a análise dos alimentos por laboratórios confiáveis, no entanto essa opção nem sempre é a escolhida pelo alto custo de cada análise.

No próximo artigo dessa série vamos continuar vendo as pegadinhas das tabelas nutricionais que são indispensáveis você conhecer para garantir uma boa saúde e até mesmo ajudar nas dietas de emagrecimento. Vamos conhecer um pouco sobre o real significado de todos os componentes da tabela. Fique ligado!

Leia Também

Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – III Nas semanas anteriores vimos as diferenças entre alergia e intolerância, em que a legislação é feita apenas para proteger as pessoas que apresentam essas doenças. Uma das doenças mais graves de alergia é chamada de doença celíaca, que pode ...
Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – II No artigo anterior falamos um pouco sobre alergias e intolerâncias e começamos a falar das dietas sem glúten. Essa semana vamos nos aprofundar no assunto para você ficar craque e sair ajudando outras pessoas a entender sobre uma das legisla...
Normas da ANVISA para alimentos alergênicos – I Essa semana vamos falar de um assunto que está gerando muita polêmica: normas da ANVISA que influenciam diretamente na sua percepção do produto que está adquirindo. Uma delas é em relação ao conteúdo de glúten nos alimentos, mas antes vamo...
Gostou? Então compartilhe este artigo!

Comentário (2)

  1. postado por Rosemeire em 09/10/2013

    Amei! Vou prestar mais atenção nas tabelas nutricionais e também no próximo artigo!!!!!!!!!! Muito Bom!

  2. postado por Circe em 29/10/2013

    Muito interessante! Vivendo e aprendendo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *